Diego e eu, 1949 Frida Kahlo

Diego e eu 1949 Frida Kahlo

Nessa pintura, Diego e eu mostramos a grande angústia de Frida por Diego Rivera. Quando teve um caso com María Félix, quase se divorciou de Frida. María Félix era uma bela estrela de cinema e também amiga íntima de Frida. Apesar de Frida estar tentando brincar sobre esse assunto, como sempre fazia com os outros assuntos de Rivera, Diego e eu mostramos que ela estava profundamente magoada. Nesta pintura, ela tem cabelos soltos em volta do pescoço, indicando estrangulamento. Ele perdeu sua máscara de reserva. É óbvio que a causa de sua angústia é seu marido Diego, para quem suas sobrancelhas servem de plataforma. E um terceiro olho, que alude à predominante acuidade mental e visual de Rivera, se abre na testa de sua esposa. Da pirâmide de cinco olhos que esta pintura publica, apenas Frida encontra a nossa. Diego, cujo lugar criativo foi imersivo e épico, olha para o passado acima das cabeças de Viwer.

Que Rivera sempre esteve nos pensamentos de Frida também é revelado em sua leiteria, grande parte do qual é um poema de amor para ele: “DIEGO. Estou sozinha”. Então, algumas páginas depois: “Meu Diego. Não estou mais sozinho. Você me acompanha. Você me põe para dormir e me reanima.” Em outra ocasião, ele desenhou dois rostos que parecem vasos. “Não chore por mim”, diz um deles. O outro responde: “Sim. Vou chorar por você.” Num momento mais romântico, escreveu: “Diego: nada se compara às suas mãos e nada se iguala ao verde dourado dos seus olhos. Meu corpo se enche de você por dias e dias. Você é o espelho da noite. A violenta luz do relâmpago. A umidade da terra. Sua axila é meu refúgio. Meus dedos tocam seu sangue. Toda a minha alegria é sentir sua vida brotar da sua flor-fonte que a minha guarda para preencher todos os caminhos dos meus nervos que pertencem a você. “

Scroll to Top